Impossibilidade de responsabilização dos advogados públicos no exercício da função consultiva

Juliano Heinen

Resumo


No Brasil, segundo os dispositivos constitucionais pertinentes, compete privativamente à advocacia pública federal e estadual o exercício das funções de consultoria jurídica. A partir deste contorno jurídico, o Supremo Tribunal Federal brasileiro decidiu que, em determinado tipo de parecer, os advogados públicos poderiam ser responsabilizados por suas opiniões. Então, tomando como ponto de partida estas fontes cienfíficas, demonstrar-se-á, por meio de dois métodos, que este entendimento não é acertado. Para tanto, tomar-se-á, por paradigma, como modelo de solução, o método de abordagem dedutivo, razão pela qual serão enfrentadas, num primeiro momento, as questões teóricas fundamentais e de base ao objeto da pesquisa. Após, utilizando os métodos de procedimentos a partir do direito direito comparado e nacional, pretendemos compor um entendimento diverso daquele exposto nos julgamentos do STF sobre o tema.


Palavras-chave


Pareceres; parecerista; irresponsabilidade.

Texto completo:

PDF

Referências


AMORIM, Gustavo Pinheiro de. O advogado público na função consultiva, os pareceres jurídicos e a responsabilidade deles decorrente. In: MARINELA, Fernanda e BOLZAN, Fabrício (Orgs.). Leituras Complementares. Direito administrativo. Licitações e contratos. Salvador: Juspodivm, 2012.

AMORIM, João Pacheco de; GONÇALVES, Pedro Costa; OLIVEIRA, Mário Esteves de. Código do procedimento administrativo comentado. Coimbra: Almedina, 2006.

BERHALI-BERNARD, Hafilda. Les avis conformes du Conseil d’État. Droit administratif. Paris: L’actualité juridique, ano 65 n. 22, 23 jun. 2008.

CHAPUS, René. Droit administratif géneral. Paris: Montchrestien, t. 1, 2001.

_____. Droit du contentieus administratif. Paris: Montcherestien, 2008.

CORSO, Guido. Maunale di diritto ammninistrativo. Torino: G. Giappichelli Editore, 2010.

COSTA, Jean-Paul. Le Conseil d’État dans la société contemporaine. Paris: Economica, 1993.

CUNHA, Bruno Santos. A responsabilização do advogado de Estado perante os tribunais de Contas pela emissão de pareceres jurídicos. Revista de Direito Administrativo. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, v. 256, jan.-abr. 2011, p. 23-46.

DALLARI, Adilson Abreu e FERRAZ, Sérgio. Processo administrativo. São Paulo: Malheiros, 2003.

DRAGO, G. Fonction consultative du Conseil d'Etat et fonction de Gouvernement : de la consultation à la codécision. AJDA. Paris, 12 mai. 2003.

FORSTHOFF, Ernst. Traité de droit administratif allemand. Bruxelles: Établissements Émile Bruylant, 1969.

FRIER, Pierre-Laurent e PETIT, Jacques. Précis de droit administratif. Paris: Montchrestien, 2010.

GAUDEMET, Yves. Traité de droit administratif. Paris: L.G.D.J., 2001.

GONDOUIN, Geneviève; INSEGRGUET-BRISSET, Véronique; VAN LANG, Agathe. Dictionnaire de droit administratif. Paris: Sirey, 2012.

GORDILLO, Agustín. Tratado de derecho administrativo. Buenos Aires: F.D.A., t. 3, 2004.

HAURIOU, Maurice. Précis de droit administratif et de droit public. Paris: Sirey, 1921.

JUSTEN FILHO, Marçal. Comentários à lei de licitações e contratos administrativos. São Paulo: Dialética, 2002.

KUHN, Thomas. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva, 2000.

LANDI, Guido e POTENZA, Giuseppe. Manuale di diritto amministrativo. Milano: Dott A. Giuffrè, 1963.

LAUBADÈRE, André de. Trate de droit administratif. Paris: Librairie Génerale de Droit et de Jurisprudence R. Pichon et R. Durand-Auzias, 1973.

MACAREL, Louis-Antoine. Éléments de jurisprudence administrative, extraits des décisions rendues par le Conseil d'État en matière contentieuse. Paris: Dondey-Dupré, 1818, 2 v.

MEIRELLES, Hely Lopes. Direito administrativo brasileiro. São Paulo: Malheiros, 2001.

MELLO, Celso Antônio Bandeira de. Curso de direito administrativo. São Paulo: Malheiros, 2009.

MELLO, Oswaldo Aranha Bandeira de. Princípios gerais de direito administrativo. São Paulo: Malheiros, v. 1, 2010.

MICHAELIS. Dicionário escolar francês. São Paulo: Melhoramentos, 2009.

RIVERO, Jean. Droit administratif. Paris: Dalloz, 1975.

ROBINOT, Yves et TRUCHET, Didier. Le Conseil d’État. Paris: Presses Universitaires de France, 2002.

SOUTO, Marcos Juruena Villela. Responsabilização de advogado ou procu-rador por pareceres em contratação direta de empresa. Revista de Direito da Procuradoria Geral do Estado do Rio de Janeiro – PGE-RJ. Rio de Janeiro: Procuradoria-Geral do Rio de Janeiro, v. 61, 2006.

VITTA, Cino. Diritto amministrativo. Turino: UTET, 1937

WALINE, Jean. Droit administratif. Paris: Dalloz, 2010, p. 592.




DOI: http://dx.doi.org/10.21056/aec.v14i57.89

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Juliano Heinen

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

ISSN 1516-3210 | e-ISSN 1984-4182


Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

R. Saldanha Marinho, n. 1762, Bigorrilho, Curitiba-PR, Brasil, CEP 80730-060
Telefone: +55 41 3014-0740

E-mail: aec.revista@gmail.com

http://www.revistaaec.com