Acesso Livre Acesso Livre  Acesso restrito Acesso Restrito

Eficiência na prestação de serviços de saúde: experiência brasileira do modelo gerencial e comparativo com os países da common law

Fábio Ramazzini Bechara, Fernanda Soraia Pacheco Costa

Resumo


A reforma administrativa mais recente no Brasil, da década de 1990, pretendeu a implantação do modelo gerencial inspirado nos países da common law, ressaltando-se a necessidade de eficiência, com a aplicação de práticas de gestão da iniciativa privada. Entretanto, a ótica do particular nem sempre é aplicável ao serviço público. Por isso, destaca-se o sistema de saúde do Reino Unido e dos Estados Unidos da América, uma vez que o primeiro serviu de modelo ao SUS no Brasil, sendo público e universal, enquanto o segundo tem por primazia a prestação do serviço de saúde pelo particular com subsídios estatais em determinadas situações. Serão analisados os dados da Organização Mundial de Saúde e dos governos estudados, as pesquisas e a doutrina referentes à prestação de serviços públicos e à eficiência. Espera-se demonstrar que, mesmo nos países de tradição da common law, a atuação direta do Estado no atendimento de direitos fundamentais pode ser eficiente, enquanto a delegação ao particular pode ser ineficiente, no sentido de ter um alto custo, como é nos Estados Unidos da América.


Palavras-chave


reforma do Estado; eficiência; atuação estatal direta; modelo gerencial; Sistema Único de Saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRUCIO, Fernando Luiz. O impacto do modelo gerencial na administração pública. Cadernos Enap. Brasília, n. 10, p. 7, 1997.

BALLARD, Charles L; GODDEERIS, John H. Financing universal health care in the United States: a general equilibrium analysis of efficiency and distributional effects. National Tax Journal. n. 52, p. 31-51, 1999.

BANCO MUNDIAL, OMS e OCDE. Delivering quality health services: a global imperative for universal health coverage. Junho de 2018. Disponível em https://openknowledge.worldbank.org/handle/10986/29970. Acessado em 28.01.2019.

BANDEIRA DE MELLO, Celso Antônio. Discricionariedade e controle jurisdicional. 2ª ed. 10ª tiragem. São Paulo: Malheiros Editores, 2010.

BECHARA, Fábio Ramazzini. Cooperação jurídica internacional em matéria penal: eficácia da prova produzida no exterior. São Paulo, 2009, 198 f. Doutorado no Programa de Pós-Graduação em Direito. Área de Concentração: Direito Processual – Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo.

BRASIL. MINISTÉRIO PÚBLICO DO RIO DE JANEIRO. www.mprj.mp.br. Acessado em 21.11.2017.

BUSS, PM., and LABRA, ME., orgs. Sistemas de saúde: continuidades e mudanças [online]. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 1995. 265 p. ISBN 85-271-0290-0. Disponível em SciELO Books

CASTRO, Rodrigo Pironti Aguirre de; FIGUEROA, Rodrigo Ochoa. Breve ensaio sobre o consensualismo na Administração Pública e o contraponto entre o modelo burocrático e responsável (“gerencial”). A&C – Revista de Direito Administrativo & Constitucional, Belo Horizonte, ano 13, n. 51, p. 187-203, jan./mar. 2013.

COOPER, Zack; GIBBONS, Stephen; JONES, Simon; McGUIRE, Alistair. Does Competition Improve Public Hospitals’ Efficiency? Evidence from a Quasi-Experiment in the English National Health Service. Centre for Economic Performance. No.988, February 2012.

DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Parcerias na Administração Pública. São Paulo: Atlas, 1996.

DIXON-WOODS, Mary e outros. Culture and behaviour in the English National Health Service: overview of lessons from a large multimethod study. BMJ – Journal of Epidemiology & Community Health, 2014, p. 106-115. Disponível em https://qualitysafety.bmj.com/content/qhc/23/2/106.full.pdf. Acessado em 28.01.2019.

ENTHOVEN, Alain C. Internal market reform of the British National Health Service. Health Affairs, vol. 10, n. 3, 1991, p. 60-70. Disponível em https://www.healthaffairs.org/doi/pdf/10.1377/hlthaff.10.3.60. Acessado em 28.01.2019.

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA. National Center for Health Statistics. Health, United States, 2016 With Chartbook on Long-term Trends in Health. Maio de 2017. Disponível em https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK453378/. Acessado em 28.01.2019.

FREITAS, Juarez. Discricionariedade administrativa e o direito fundamental à boa administração pública. 2ª ed. São Paulo: Malheiros Editores, 2009.

FREITAS, Juarez. O controle dos atos administrativos e os princípios fundamentais. 5ª ed. revista e ampliada. São Paulo: Malheiros Editores, 2013.

GABARDO, Emerson. Princípio constitucional da eficiência administrativa. São Paulo: Dialética, 2002.

GROTTI, Dinorá Adelaide Musetti. “Eficiência administrativa: alargamento da discricionariedade acompanhado do aperfeiçoamento dos instrumentos de controle e responsabilização dos agentes públicos – um paradigma possível?” In MELLO, Celso Antônio Bandeira de; FERRAZ, Sérgio; ROCHA, Sílvio Luís Ferreira da; SAAD, Amauri Feres (Coordenadores). Direito administrativo e liberdade: estudos em homenagem a Lúcia Valle Figueiredo. São Paulo: Malheiros Editores, 2014, p. 273-309.

GUEST, Julian F e outros. Health economic burden that wounds impose on the National Health Service in the UK. BMJ Open, 2015, p. 1-8. Disponível em https://bmjopen.bmj.com/content/bmjopen/5/12/e009283.full.pdf. Acessado em 28.01.2019.

IBANEZ, Nelson et al . Organizações sociais de saúde: o modelo do Estado de São Paulo. Ciênc. saúde coletiva, São Paulo , v. 6, n. 2, p. 391-404, 2001 . Disponível em . Acessado em 21 Nov. 2017. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232001000200009.

LE GRAND, Julian. Competition, cooperation, or control? Tales from the British National Health Service. Health Affairs. Vol. 18, n. 3, maio-junho de 1992, p. 27-39. Disponível em https://www.healthaffairs.org/doi/pdf/10.1377/hlthaff.18.3.27. Acessado em 28.01.2019.

LEAL, Rogério Gesta. Densificações democráticas do serviço público no Brasil: alguns pressupostos. A&C Revista de Direito Administrativo & Constitucional, Belo Horizonte, ano 8, n. 33, p. 91-113 , jul./set. 2008.

MARMOR, Theodore; OBERLANDER, Jonathan; WHITE, Joseph. The Obama Administration’s options for health care cost control: hope versus reality. Annals of Internal Medicine, 2009, p. 485-489. Disponível em https://annals.org/aim/fullarticle/744428. Acessado em 28.01.2019.

MARTINS, Ricardo Marcondes. Teoria das contrafações administrativas. A&C Revista de Direito Administrativo & Constitucional, Belo Horizonte, ano 16, n. 64, abr./jun. 2016.

MAXIMINIANO, Antonio Cesar Amaru; NOHARA, Irene Patrícia. Gestão pública: abordagem integrada da Administração e do Direito Administrativo. São Paulo: Atlas, 2017.

MENDES, Eugênio Vilaça. 25 anos do Sistema Único de Saúde: resultados e desafios. Estudos Avançados, vol. 27, n. 78, São Paulo, 2013. Entrevista concedida a Samir Salman. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-40142013000200003&script=sci_arttext. Acesso em 28.01.2019.

METADE da população mundial não tem acesso a serviços essenciais de saúde apontou relatório. O Sul. 13.12.2017. Bem-estar, Brasil, Capa – Caderno 1, Notícias, Saúde. Disponível em http://www.osul.com.br/metade-da-populacao-mundial-nao-tem-acesso-servicos-essenciais-de-saude-apontou-relatorio/ Acessado em 13.12.2017.

MILNE, Robin; TORSNEY, Ben. The efficiency of administrative governance: The experience of the pre-reform British National Health Service. Journal of Comparative Economics, San Diego, vol. 24, Iss 2, p. 161-180, apr 1997.

MOURA, Emerson Affonso da Costa. Estado gerencial, regulação econômica e serviços públicos – O papel das agências na promoção do desenvolvimento. A&C – Revista de Direito Administrativo & Constitucional, Belo Horizonte, ano 14, n. 57, p. 193-217, jul./set. 2014.

NOHARA, Irene Patrícia. Contrato de gestão para ampliação da autonomia gerencial: case jurídico de malogro na importação e novas formas de se alcançar maior eficiência na gestão pública. A&C – Revista de Direito Administrativo & Constitucional, Belo Horizonte, ano 14, n. 55, p. 169-185, jan./mar. 2014.

NOHARA, Irene Patrícia. Reforma administrativa e burocracia: impacto da eficiência na configuração do direito administrativo brasileiro. São Paulo: Atlas, 2012.

OBAMA, Barack. United States Health Care reform: progress to date and next steps. JAMA Network. 02.08.2016, p. 525-532. Disponível em https://jamanetwork.com/journals/jama/fullarticle/2533698. Acessado em 28.01.2019.

PEREIRA, Roberta Massa B. Hospital Santa Marcelina é interditado pela Vigilância Sanitária. GEHOSP. 06.12.2017. Disponível em http://gehosp.com.br/2017/12/06/hospital-santa-marcelina-interditado/ Acessado em 12.12.2017.

POÇONI, Maykel. A atuação do controle interno da administração pública na fiscalização das organizações sociais de saúde. , São Paulo, 2017, 122 f. Dissertação (Mestrado em Direito Político e Econômico) – Universidade Presbiteriana Mackenzie. Disponível em http://tede.mackenzie.br/jspui/handle/tede/3343.

OLIVER, Adam. The English National Service: 1979-2005. Health Economics, vol. 14, 2005, p. 75-99. Disponível em https://onlinelibrary.wiley.com/doi/epdf/10.1002/hec.1029. Acessado em 28.01.2019.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. www.who.int. Acessado em 21.11.2017.

REZENDE, Flávio da Cunha. O dilema do controle e a falha sequencial nas reformas gerenciais. Revista do Serviço Público, ano 52, nº 3, p. 62, jul.-set./2002.

SCHOEN, Cathy; OSBORN, Robin; HUYNH, Phuong Trang; DOTY, Michelle; ZAPERT, Kinga; PEUGH, Jordan Peugh; DAVIS, Karen. Taking the pulse of health care systems: experiences of patients with health problems with six countries. Health Affairs. W5, p. 509-525. 2005, Disponível em http://content.healthaffairs.org/content/early/2005/11/03/hlthaff.w5.509. Acessado em 19.12.2017.

S.P. Bate, G. Robert. Knowledge Management and communities of practice in the private sector: lessons for modernizing the National Health Service in England and Wales. Public Administration, vol. 80, n. 4, 2002, p. 643-663. Disponível em https://onlinelibrary.wiley.com/doi/epdf/10.1111/1467-9299.00322. Acessado em 28.01.2019.

STONE, Christopher. When efficiency is code for ‘cuts’. The Lamp, vol. 70, p. 28, 2013. Disponível em http://www.nswnma.asn.au/when-efficiency-is-code-for-cuts/. Acessado em 19.12.2017.

SUN, Daxin; AHN, Haksoon; LIEVENS, Tomas; ZENG, Wu. Evaluation of the performance of national health systems in 2004-2011: an analysis of 173 countries. PloS One. San Francisco, vol. 12, Iss 3, março/2017.

O SUS e o sistema de saúde da Inglaterra: semelhanças e diferenças. Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Porto Alegre: 09 de dezembro de 2015, duração de 13 minutos e 16 segundos. Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=uL7B-5uRnxQ. Acessado em 21.11.2017.

VIOLIN, Tarso Cabral. Da Administração Pública patrimonialista à Administração Pública gerencial e a burocracia. A&C Revista de Direito Administrativo & Constitucional, Belo Horizonte, ano 7, n. 30, p. 225-247, out./dez. 2007.

VIOLIN, Tarso Cabral. Terceiro setor e as parcerias com a administração pública: uma análise crítica. Prefácio de Romeu Felipe Bacellar Filho e Carlos Montaño. 3ª ed. Belo Horizonte: Fórum, 2015.

VIOLIN, Tarso Cabral. Uma análise crítica do ideário do "terceiro setor" no contexto neoliberal e as parcerias entre a administração pública e sociedade civil organizada no Brasil. Curitiba, 2006, 241 f. Mestrado no Curso de Pós-Graduação em Direito – Universidade Federal do Paraná.

Why is Obamacare so controvertial? BBC. US & Canada. 13.07.2017. Disponível em http://www.bbc.com/news/world-us-canada-24370967. Acessado em 21.11.2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.21056/aec.v20i75.923

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 FÁBIO RAMAZZINI BECHARA, FERNANDA SORAIA PACHECO COSTA

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

ISSN 1516-3210 | e-ISSN 1984-4182


Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

R. Saldanha Marinho, n. 1762, Bigorrilho, Curitiba-PR, Brasil, CEP 80730-060
Telefone: +55 41 3014-0740

E-mail: aec.revista@gmail.com

http://www.revistaaec.com