Ministério Público e o mito do “Peter Pan”

Álvaro Ricardo de Souza Cruz, Gustavo Hermont Corrêa

Resumo


A pretensão subjacente ao presente texto é refletir sobre a necessidade de se construir uma identidade do Ministério Público, que se compatibilize com o período do Estado Democrático de Direito, após o advento da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Identidade esta que exige um comportamento permanente de aprendizado social, de cunho hermenêutico-crítico que se moderniza de geração em geração, em busca de um amadurecimento institucional.


Palavras-chave


Ministério Público; espelhamento; lei de Ofícios; períodos

Texto completo:

PDF

Referências


ARANTES, Rogério Bastos. Ministério Público e política no Brasil. São Paulo: EDUC/Sumaré/FAPESP, 2002.

BANDEIRA DE MELLO, Celso Antônio. Curso de Direito Administrativo. 22 ed. São Paulo: Malheiros, 2007.

BARACHO, José Alfredo de Oliveira. Teoria Geral da Cidadania: a plenitude da cidadania e as garantias constitucionais e processuais. São Paulo: Saraiva, 1995.

BARBOSA, Rui. Obras Completas (Réplica).Vol. XXIII, Tomo III, 1896.

BENJAMIN, Walter. Las afinidades electivas de Goethe. Tradução de Graciela Calderón y GriseldaMársico. In:Dos ensayos sobre Goethe. 1. ed. Barcelona: Gedisa, 1996.

CAMARGO, Luiz Octávio de Lima. Turismo, Hotelaria e Hospitalidade. In: DIAS, C.M.M. Hospitalidade: reflexões e perspectivas. São Paulo: Manole, 2002.

COMPARATO, Fábio Konder. Raymundo Faoro historiador. Estudos avançados, São Paulo, v. 17, n. 48, ago. 2003.

CRUZ, Álvaro Ricardo de Souza. Habermas e o Direito Brasileiro. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora Lúmen Júris, 2008.

FAORO, Raymundo. Os donos do poder. 3.ed. rev. São Paulo: Globo, 2001.

FAORO, Raymundo. A pirâmide e o trapézio.In: Machado de Assis: a pirâmide e o trapézio. 4.ed. São Paulo: Globo, 2001.

FAZZALARI, Elio. Instituições de Direito Processual. São Paulo: Bookseller, 2006.

FERRAZ, Leonardo de Araújo. Da Teoria à Crítica Princípio da Proporcionalidade Uma visão com base nas doutrinas de Robert Alexy e Jürgen Habermas. Belo Horizonte: Dictum Editora, 2009.

FILHO, Vicente Greco. Direito Processual Civil Brasileiro. 1º vol. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 1989.

FREITAS, Jorge. MP encara polêmica sobre inscrição “Deus seja louvado” nas cédulas de real. Correio Brasiliense, 15 fev. 2012. Disponível em:http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/economia/2012/02/15/internas_economia,289921/mp-encara-polemica-sobre-inscricao-deus-seja-louvado-nas-cedulas-de-real.shtml>. Acesso em: 11 abr. 2012.

GOMES, Luiz Flávio. Princípio da insignificância e outras excludentes de tipicidade. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, v. 1. 2009.

CINTRA, Antonio Carlos A.; GRINOVER, Ada Pellegrini; DINAMARCO, Candido Rangel. Teoria Geral do Processo. 21. ed. São Paulo: Malheiros, 2004.

HÄRBELE, Peter. Hermenêutica constitucional – a sociedade aberta dos intérpretes da Constituição: contribuição para a interpretação pluralista e ‘procedimental’ da Constituição.Tradução de Gilmar Ferreira Mendes. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor, 1997, reimpressão 2002.

JATAHY, Carlos Roberto de Castro. O Ministério Público e o Estado Democrático de Direito: Perspectivas Constitucionais de Atuação Institucional. Rio de Janeiro: Lumen Júris, 2007.

JÚNIOR, Arnaldo Silva e PEREIRA, Rodrigo Ribeiro (coordenadores). Limites de atuação do Ministério Público: a defesa nas ações civis públicas. Belo Horizonte: Del Rey, 2010.

JÚNIOR, Ronaldo Porto Macedo. O Ministério Público 500 anos depois do descobrimento. In 500 anos e o direito no Brasil, Cadernos de Direito e Cidadania II. São Paulo: Artchip, 2000.

LEAL, Rosemiro Pereira. Teoria Processual da Decisão Jurídica. São Paulo: Landy, 2002.

MACIEL JUNIOR. Vicente de Paula. Teoria das ações coletivas: as ações coletivas como ações “temáticas”. São Paulo: LTR, 2006.

MAUS, Ingeborg. Judiciário como superego da sociedade: o papel da atividade jurisprudencial na ‘sociedade órfã’. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, n. 58, nov. 2000.

MAZZILLI, Hugo Nigro. A Defesa dos Interesses Difusos em Juízo. 4. ed. São Paulo: RT, 1993.

MELO, Nelio Vieira de. A Ética da Alteridade em Emmanuel Levinás. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2003.

MONTESQUIEU, C. L. S. O espírito das leis. Trad. C. Murachco. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

MOREIRA NETO, Diogo de Figueiredo. Considerações sobre a Lei de Responsabilidade Fiscal. São Paulo: Renovar, 2001.

PRADO, Luiz Régis. Curso de direito penal brasileiro: parte geral: arts 1° a 120. 8. ed. rev. atual. e ampl. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, v. 1, 2008.

RIBEIRO, Carlos Vinícius Alves (organizador). Ministério Público: reflexões sobre princípios e funções institucionais. São Paulo: Atlas, 2010.

SANDEL, Michael J. Justiça – O que é fazer a coisa certa. Tradução de Heloisa Matias e Maria Alice Máximo. 12 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013.

SARLET, Ingo Wolfgang. A eficácia dos direitos fundamentais. 7ª ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado Ed., 2007.

SARMENTO, Daniel. A dimensão objetiva dos direitos fundamentais: fragmentos de uma teoria. In SAMPAIO, José Adércio Leite (coord.). Jurisdição constitucional e direitos fundamentais. Belo Horizonte: Del Rey, 2003, p. 251/314.

SILVA, Ovídio Batista da. Comentários ao Código de Processo Civil. vol. I. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2000.

SOARES, Mário Lúcio Quintão. Teoria do Estado: introdução. 2. ed. Belo Horizonte: Del Rey, 2004.

ZAPPA, Giancarlo. Il pubblico ministero: apunti di storia e di diritto comparatto. In: La riforma del pubblico ministero. Milão: Dott. A. Giuffré, 1974.




DOI: http://dx.doi.org/10.21056/aec.v17i68.808

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Álvaro Ricardo de Souza Cruz, Gustavo Hermont Corrêa

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

ISSN 1516-3210 | e-ISSN 1984-4182


Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

R. Saldanha Marinho, n. 1762, Bigorrilho, Curitiba-PR, Brasil, CEP 80730-060
Telefone: +55 41 3014-0740

E-mail: aec.revista@gmail.com

http://www.revistaaec.com