A administração consensual como a nova face da Administração Pública no século XXI: fundamentos dogmáticos, formas de expressão e instrumentos de ação

Gustavo Justino de Oliveira, Cristiane Schwanka

Resumo


Inserida no contexto de Estado em rede e de Governança Pública,
a Administração Consensual revela-se como a nova face da Administração
Pública no século XXI. Segundo Castells, Estado em rede é o Estado caracterizado pelo compartilhamento de autoridade em uma rede. Para Löffler, governança pública encerra uma nova geração de reformas administrativas e de Estado, que têm como objeto a ação conjunta, levada a efeito de forma eficaz, transparente e compartilhada, pelo Estado, pelas empresas e pela sociedade civil, visando uma solução inovadora dos problemas sociais e criando possibilidades e chances de um desenvolvimento futuro sustentável para todos os participantes. Um tema inserido nos movimentos reformadores e modernizadores do Estado é o emprego em larga escala de métodos e técnicas negociais no âmbito das atividades perpetradas pelos órgãos e entidades públicas. Tais atividades podem envolver unicamente a participação de órgãos e entidades públicas, como também contemplar a sua interação com organizações de finalidade lucrativa (setor privado) ou desprovidas de finalidade lucrativa (Terceiro Setor). Este trabalho pretende discutir a relevância do consensualismo na Administração Pública, apontando os fundamentos dogmáticos da Administração Consensual. Colocando em destaque algumas de suas formas de expressão e de seus instrumentos de ação — concertação administrativa, contratualização administrativa, acordos administrativos, conciliação e transação administrativas — o trabalho tem por finalidade principal ressaltar a importância do consensualismo como linha de evolução e de transformação da Administração Pública no século XXI.

Palavras-chave


Administração Pública; Estado em rede; Governança Pública; Administração consensual; Acordos administrativos

Texto completo:

PDF

Referências


BATISTA JÚNIOR, Onofre Alves. Transações administrativas: um contributo ao estudo do contrato administrativo como mecanismo de prevenção e terminação de litígios e como alternativa à atuação administrativa autoritária, no contexto de uma administração pública mais democrática. São Paulo: Quartier Latin, 2007.

BERTI, Giorgio. Il principio contrattuale nell’attività amministrativa. In: Scritti in onore di Massimo Severo Giannini. Milano: Giuffrè, 1988. v. 2, p. 47-65.

BOBBIO, Norberto. Estado, governo e sociedade. 4. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

BREWER-CARIAS, Allan R. Contratos administrativos. Caracas: Jurídica Venezolana, 1992.

CANOTILHO, J. J. Gomes. “Brancosos” e interconstitucionalidade: itinerários dos discursos sobre a historicidade constitucional. Coimbra: Almedina, 2006.

CANOTILHO, J. J. Gomes. Constitucionalismo e geologia da good governance. In: ______. “Brancosos” e interconstitucionalidade: itinerários dos discursos sobre a historicidade constitucional.

Coimbra: Almedina, 2006. p. 325-334.

CASSESE, Sabino. La arena pública: nuevos paradigmas para el Estado. In: ______. La crisis del Estado. Buenos Aires: Abeledo Perrot, 2003. p. 101-160.

CASTELLS, Manuel. A era da informação: a sociedade em rede. 5. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2001. v. 1.

CASTELLS, Manuel. A era da informação: fim de milênio. 3. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2002. v. 3.

CASTELLS, Manuel. A era da informação: o poder da identidade. 3. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2002. v. 2.

CHEVALLIER, Jacques. Synthèse. In: FORTIN, Yvonne (Dir.). La contractualisation dans le secteur public des pays industrialisés depuis 1980. Paris: L’Harmattan, 1999. p. 397-414.

DAMIANI, Ernesto Sticchi. Attività amministrativa consensuale e accordi di programma. Milano: Giuffrè, 1992.

FERNÁNDEZ, Tomás-Ramón; GARCÍA DE ENTERRÍA, Eduardo. Curso de derecho administrativo. 9. ed. Madrid: Civitas, 1999. v. 1.

FREITAS, Juarez. Discricionariedade administrativa e o direito fundamental à boa administração pública. São Paulo: Malheiros, 2007.

FREITAS, Juarez. O controle dos atos administrativos e os princípios fundamentais. 3. ed. rev. ampl. São Paulo: Malheiros, 2004.

FUKUYAMA, Francis. Construção de Estados: governo e organização mundial no século XXI. Rio de Janeiro: Rocco, 2005.

GAUDIN, Jean-Pierre. Gouverner par contrat: l’action publique en question. Paris: Presses de Sciences Politiques, 1999.

KISSLER, Leo; HEIDEMANN, Francisco G. Governança pública: novo modelo regulatório para as relações entre Estado, mercado e sociedade? Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 40, n. 3, maio/jun. 2006.

LEMES, Selma. Arbitragem na Administração Pública. São Paulo: Quartier Latin, 2007.

MACHADO, João Baptista. Participação e descentralização: democratização e neutralidade na Constituição de 76. Coimbra: Almedina, 1982.

MEDAUAR, Odete. O direito administrativo em evolução. 2. ed. São Paulo: RT, 2003.

MOREIRA NETO, Diogo de Figueiredo. Administração pública consensual. In: ______. Mutações do direito administrativo. Rio de Janeiro: Renovar, 2000. p. 37-48.

MOREIRA NETO, Diogo de Figueiredo. Mutações do direito administrativo. Rio de Janeiro: Renovar, 2000.

MOREIRA, Vital. Auto-regulação profissional e administração pública. Coimbra: Almeida, 1997.

NABAIS, José Casalta. Contratos fiscais: reflexões acerca da sua admissibilidade. Coimbra: Coimbra Ed., 1994.

OLIVEIRA, Gustavo Justino de. Administração pública democrática e efetivação dos direitos fundamentais. In: CONGRESSO NACIONAL DO CONPEDI, 16., 2007, Belo Horizonte.

OLIVEIRA, Gustavo Justino de. Contrato de gestão. São Paulo: RT, 2008. No prelo.

PRATS I CATALÀ, Joan; VIDAL BELTRÀN, José María (Coord.). Gobernanza: Diálogo Euro-Iberoamericano sobre el buen gobierno. Madrid: INAP: Colex, 2005. p. 21-76.

RIVERO, Jean. Direito administrativo. Coimbra: Almedina, 1981.

WILSON, Woodrow. O estudo da administração. Cadernos de Administração Pública, Rio de Janeiro, n. 16, p. 1-35, 1955.




DOI: http://dx.doi.org/10.21056/aec.v8i32.504

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Gustavo Justino de Oliveira, Cristiane Schwanka

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

ISSN 1516-3210 | e-ISSN 1984-4182


Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

R. Saldanha Marinho, n. 1762, Bigorrilho, Curitiba-PR, Brasil, CEP 80730-060
Telefone: +55 41 3014-0740

E-mail: aec.revista@gmail.com

http://www.revistaaec.com