Acesso Livre Acesso Livre  Acesso restrito Acesso Restrito

Sub-representação legal nas ações afirmativas: a Lei de Cotas nos concursos públicos

Evandro Piza Duarte, Gianmarco Loures Ferreira

Resumo


Este artigo pretende contribuir para a discussão sobre políticas de ação afirmativa de recorte racial no Brasil, como as cotas raciais em concursos públicos. A partir da análise da composição racial das carreiras e dos cargos públicos federais, identificaram-se três aspectos em que a Lei nº 12.990, de 2014, apresentaria limites ao combate à desigualdade racial: o percentual de vagas reservadas (quanto), as carreiras em que se aplicaria (onde) e a não abrangência dos cargos em comissão (quem). Com base nos dados levantados, concluiu-se pela existência de restrições na Lei de Cotas, que pode ser sintetizada no conceito proposto de sub-representação legal, em que aspectos referentes a “quanto”, “onde” e “quem” criam limites a esta política afirmativa. Assim, a lei mantém a proporção de pessoas que podem vir a ser beneficiadas por ela inferior à proporção deste mesmo grupo na população brasileira. Por fim, embora destaque a essencialidade das cotas raciais nos concursos públicos, o artigo identifica as limitações da lei e procura agregar ao debate elementos que poderiam ser incorporados em sua modelagem.


Palavras-chave


ações afirmativas; cotas raciais; concursos públicos; sub-representação; Lei nº 12.990/14.

Texto completo:

PDF

Referências


ALENCASTRO, L. F. O trato dos viventes: formação do Brasil no Atlântico Sul. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

AZEVEDO, A. Remuneração no setor público no Brasil é maior do que a norte-americana. Correio Braziliense, 30.10.2016.

AZEVEDO, D. A. Cotas raciais no serviço público: o julgamento da ADPF 186 antecipa a constitucionalidade de quaisquer outras políticas afirmativas? [s.l.:s.n.], 2014. Disponível em: . Acesso em: 31 jul. 2015.

BANCO de dados do tráfico transatlântico de escravos. 2015. Disponível em: . Acesso em 8 dez.2015.

BANDEIRA DE MELLO, C. A. Discricionariedade e controle jurisdicional. São Paulo: Malheiros,2006. 110 p.

BECKER, H. S. Segredos e truques da pesquisa. Rio de Janeiro: Zahar, 2007.

BERTÚLIO, D. L. de L. Direito e relações raciais: uma introdução crítica ao racismo. Florianópolis, 1989.229. Dissertação (mestrado) – Universidade Federal de Santa Catarina.

BONADIMAN, D. A inconstitucionalidade do sistema de cotas para negros. Âmbito Jurídico, 2014. Disponível em: . Acesso em: 19 fev. 2014.

CAMPOS, L. A. Socialismo moreno, conservadorismo pálido? Cor e recrutamento partidário em São Paulo e Rio de Janeiro nas eleições de 2012. Dados – Revista de Ciências Sociais, v. 58, n. 3, p. 689-719,2015.

CAMPOS, L. A.; MACHADO, C. A cor dos eleitos: determinantes da sub-representação dos não brancos no Brasil. Revista Brasileira de Ciência Política, n. 16, p. 121-151, 2015.

CARVALHO NETTO, M.; SCOTTI, G. Os direitos fundamentais e a (in)certeza do direito: a produtividade das tensões principiológicas e a superação do sistema de regras. Belo Horizonte: Fórum, 2012.

CASTELAR, I. et al. Uma análise dos determinantes de desempenho em concurso público. Economia Aplicada, v. 14, n. 1, p. 81-98, 2010.

CHADAREVIAN, P. C. Para medir as desigualdades raciais no mercado de trabalho. Revista de Economia Política, v. 31, n. 2 (122), p. 283-304, 2011.

COM LEI DE COTAS, 638 negros entraram no serviço público federal. Globo.com, 9 jun. 2015. Disponível em: . Acessoem: 12 dez. 2015.

CRENSHAW, K. Critical Race Studies: the first decade: critical reflections, or “a foot in the closing door”. UCLA Law Review, v. 1343, p. 1-36, 2002.

CRENSHAW, K. Twenty years of Critical Race Theory: looking back to move forward. Connecticut Law Review, v. 43, n. 5, p. 1253-1352, 2011.

CRENSHAW, K. et al. Critical race theory: the key writings that formed the movement. New York: The New Press, 1995.

DELGADO, R.; STEFANCIC, J. Critical Race Theory: an annotated bibliography. Virginia Law Review, v. 79, n. 2, p. 461-516, 1993.

DELGADO, R.; STEFANCIC, J. Critical Race Theory: an introduction. New York: NYU Press, 2001.

DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS (DIEESE). Os negros no trabalho. São Paulo, 2013.

DUARTE, E. Criminologia & racismo: introdução à criminologia brasileira. Curitiba: Juruá, 2003.

DUARTE, E. Do medo da diferença à liberdade a partir da igualdade: identidade racial e políticas de ação afirmativa no ensino superior. 2009. 935 f. Tese (doutorado) – Universidade de Brasília.

DUARTE, E. Princípio da isonomia e critérios para a discriminação positiva nos programas de ação afirmativa para negros (afro-descendentes) no ensino superior. A&C - Revista de Direito Administrativo Constitucional, ano 7, p. 1-44, 2007.

DUARTE, E. Criminologia e racismo. Curitiba: Juruá,2002. 321 p.

DUARTE, E.; CARVALHO NETTO, M. A indeterminação dos conceitos nas políticas de acesso ao ensino superior. In: H. COSTA et al. (org.). Uma década de políticas afirmativas: panorama, argumentos e resultados. Ponta Grossa: UEPG, 2012. p. 53-84.

DUARTE, E. P.; QUEIROZ, M. V. L. A Revolução Haitiana e o Atlântico Negro: o constitucionalismo em face do lado oculto da modernidade. Revista Direito, Estado e Sociedade, v. 49, p. 10-42, 2016.

DUARTE, E. P.; SCOTTI, G. História e memória nacional no discurso jurídico: o julgamento da ADPF 186. Universitas Jus, v. 24, n. 3, p. 33-45, 2013.

DUSSEL, E. 1492 –O encobrimento do outro: a origem do mito da modernidade. Petrópolis: Vozes, 1993.

ESCOLA NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (ENAP). Servidores públicos federais: raça/cor. Brasília, 2014. Disponível em: . Acesso em: 13 jan. 2016.

FERREIRA, G. L. Sub-representação legal nas ações afirmativas: a Lei de Cotas nos concursos públicos. Brasília, 2016. 222f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Direito, Estado e Constituição, Universidade de Brasília.

FIGUEIREDO, L. V. Curso de direito administrativo. São Paulo: Malheiros, 2004. 687 p.

FONTAINHA, F. de C. et al. Processos seletivos para a contratação de servidores públicos: Brasil, o país dos concursos? [s.l: s.n.], 2014.

FRANKENBERG, R. A miragem de uma branquidade não-marcada. In: WRON, W. (Ed.). Branquidade: identidade branca e multiculturalismo. Rio de Janeiro: Garamond, 2004. p. 307-338.

FREEMAN, A. D. Legitimizing racial discriminationthrough antidiscrimination law: a critical review of Supreme Court Doctrine. Minnesota Law Review, v. 62, p. 1049-1119, 1978.

FREY, K. Políticas públicas: um debate conceitual e reflexões referentes à prática da análise de políticas públicas no Brasil. Planejamento e Políticas Públicas, v. 21, p. 211-259, 2000.

FURTADO, B. A.; SAKOWSKI, P. A. M.; TÓVOLLI, M. H. Modelagem de sistemas complexos para políticas públicas. Brasília: Ipea, 2015.

GOAR, C. Experiments in Black and White. In: ZUBERI, T.; BONILLA-SILVA, E. (Eds.). White logic, white methods: racism and methodology. Lanham: Rowman & Littlefield, 2008. p. 153-162.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua – Mensal. Rio de Janeiro, s.d. Disponível em: . Acesso em: 9 fev. 2017.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). Duas décadas de desigualdade e pobreza no Brasil medidas pelo PNAD/IBGE. Comunicados do IPEA, n. 159, out. 2013. Disponível em: . Acesso em: 20 out.2015.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). Retrato das desigualdades de gênero e raça. Brasília, 2011. Disponível em: . Acessoem: 30 mar. 2016.

HARRIS, C. I. Whiteness as property. Harvard Law Review, v. 106, n. 8, p. 1707-1791, 1993.

JAMES, A. Making sense of race and racial classification.In: ZUBERI, T.; BONILLA-SILVA, E. (Orgs.). White logic, white methods: racism and methodology. Maryland: Rowman& Littlefield, 2008. KindleEdition. p. 31-45.

LIMA, L. L.; ASCENZI, L. D. Implementação de políticas públicas: perspectivas analíticas. Revista de Sociologia e Política, v. 21, n. 48, p. 101-110, 2013.

LOPEZ, F. G. Evolução e perfil dos nomeados para cargos DAS na administração pública federal (1999-2014). Brasília: Ipea, 2015. 22 p. (Nota Técnica 16).

MILLS, C. W. The racial contract. London: Cornell University Press, 1999. v. 109.

MOREIRA, A. J. Racial politics in Brazil: exposing the unequal past, building an egalitarian future. [s.l.]: Harvard, 2013.

MOURA, C. Sociologia do negro brasileiro. São Paulo: Ática, 1988a.

MOURA, C. Rebeliões na senzala. São Paulo: Lech, 1988b.

MUELLER, B. Sistemas complexos em políticas públicas no Brasil. In: FURTADO, B. A. et al. (Orgs.).Modelagem de sistemas complexos para políticas públicas. Brasília: Ipea, 2015. p. 291-308.

MULLER, P.; SUREL, Y. A análise das políticas públicas. Pelotas: Educat, 2002.

MUNANGA, K. Rediscutindoa mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. Petrópolis: Vozes, 1999.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Informe de la relatora especial sobre cuestiones de las minorias relativo a sumisión al Brasil. Nova York, 2016a. Disponível em: . Acessoem: 14 mar. 2016.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Report of the special rapporteur on minority issues on her mission to Brazil: comments by the State.Nova York,2016b.Disponível em: . Acesso em: 14 mar.2016.

OSÓRIO, R. G. Desigualdades raciais e de gênero no serviço público civil. Brasília: OIT; Secretaria Internacional do Trabalho, 2006.

OSÓRIO, R. G. Desigualdades raciais e de gênero no serviço público civil. [s.l: s.n.].

PAGE, S. E. Prefácio. In: FURTADO, B. A.et al. (Orgs.).Modelagem de sistemas complexos para políticas públicas. Brasília: Ipea, 2015. p. 11-20.

PAIXÃO, M. A lenda da modernidade encantada: por uma crítica ao pensamento social brasileiro sobre relações raciais e projeto de Estado-nação. Curitiba: CRV, 2014.

PAIXÃO, M. et al. (Orgs.).Relatório anual das desigualdades raciais no Brasil; 2009-2010. Rio de Janeiro: Garamond, 2010. 292 p.

PHILLIPS, A. De uma política de idéias a uma política de presença? Estudos Feministas, v. 9, n. 2, p. 268-290, 2001.

PIRES, T. R. O. Criminalização do racismo : entre política de reconhecimento e meio de legitimação do controle social dos não reconhecidos. Rio de Janeiro, 2013. 323 f. Tese (doutorado), Pontifícia Universidade Católica.

PIZA, E.; ROSEMBERG, F. Cor nos censos brasileiros. Revista USP, n. 40, p. 122-137, 1998.

POTVIN, M. The role of statistics on ethnic origin and “race” in Canadian anti-discrimination policy. International Social Science Journal, v. 57, n. 183, p. 27-42, 2005.

RIBEIRO, M. Políticas de promoção da igualdade racial no Brasil (1986-2010). Rio de Janeiro: Garamond, 2014.

RIGOLIN, I. B. Comentários ao regime único dos servidores públicos civis. São Paulo: Saraiva, 2007. 444 p.

ROSENFELD, M. Affirmative action and justice: a philosophical and constitutional inquiry. New Haven: Yale University Press, 1991.

SEGURA, G. et al. Brief of amici curiae political scientists in support of Chase Cantrell Respondents. 2013. Disponível em: . Acesso em: 11 mar. 2016.

SENHORAS, E. M.; SOUZA CRUZ, A. R. A. A lei das cotas em concursos públicos da administração pública federal. Repertório de Jurisprudência IOB, v. 1, n. 10, maio2015.

SILVA, T. D. Administração pública e relações raciais: uma análise da produção científica entre 2011 e 2016.ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E GOVERNANÇA, VII, São Paulo, 2016a.

SILVA, T. D. Gestão pública na zona do não ser: políticas públicas de promoção da igualdade racial na Administração Pública Federal no Brasil. In: JORNADA DE ESTUDOS NEGROS NA UNB, 1. Anais...Brasília, 2016b.p. 1-8.

SILVA, C. L.; PIRES, T. R. de O. Teoria crítica da raça como referencial teórico necessário para pensar a relação entre direito e racismo no Brasil: direitos dos conhecimentos. Florianópolis: Conpedi, 2015. Disponível em: . Acesso em: 23 mar. 2017.

SILVA, T. D.; SILVA, J. M. da. Reserva de vagas para negros em concursos públicos: uma análise a partir do Projeto de Lei 6.738/2013. Brasília: Ipea, 2014. (Nota Técnica 17).

SOARES, S. A demografia da cor: a composição da população brasileira 1890 a 2007. In:

THEODORO, M. L. et al. (Orgs.). As políticas públicas e a desigualdade racial no Brasil: 120 anos após a abolição. Brasília: Ipea, 2008. p. 97-118.

SOLARZANO, D.; CEJA, M.; YOSSO, T. Critical Race Theory, racial microagressions, and campus racial climate: the experiences of African American college students. The Journal of Negro Education, v. 69, n. 1/2, p. 60-73, 2000.

SOVIK, L. Aqui ninguém é branco: hegemonia branca e media no Brasil. In: WARE, V. (Ed.). Branquidade: identidade branca e multiculturalismo. Rio de Janeiro: Garamond, 2004. p. 363-386.

STEWART, Q. T. Swimming upstream: theory and methodology in race research. In: ZUBERI, T.; BONILLA-SILVA, E. (Orgs.). White logic, white methods: racism and methodology. Maryland: Rowman& Littlefield, 2008. Kindle Edition. p. 111-126.

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL (STF). Ação por Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) nº 186, julgada em 26 de abril de 2012. Disponível em: . Acesso em: 17 nov.2015.

SUNSTEIN, C. R. 2009. Preferências e política. Revista Brasileira de Ciência Política, n. 1, p. 219-254.

THEODORO, M. L. et al. (Orgs. ). As políticas públicas e a desigualdade racial no Brasil: 120 anos após a abolição. Brasilia: Ipea, 2008b.

VALENCIANO, T. Resenha de Oliveira, Ricardo Costa de. Na teia do nepotismo – sociologia política das relações de parentesco e poder político no Paraná e no Brasil. Curitiba: Insight, 2012. 271 p. Núcleo de Estudos Paranaenses, v. 1, n. 1, p. 348-350, 2015.

VALLE SILVA, N. O preço da cor: diferenciais raciais na distribuição da renda no Brasil. Pesquisa e Planejamento Econômico, v. 10, n. 1, p. 21-44,1980.

VARELLA, S. F. Discriminação racial indireta e ação afirmativa no emprego sob a perspectiva dos direitos coletivos. Brasília, 2009. 319 f. Tese (doutorado) – Universidade de Brasília.

VIEIRA JR, R. J. A. Responsabilização objetiva do Estado: segregação institucional do negro e adoção de ações afirmativas como reparação aos danos causados. Curitiba: Juruá, 2006. 247 p.

WARE, V. O poder duradouro da branquidade: “um problema a solucionar”. In: ______. Branquidade: identidade branca e multiculturalismo. Rio de Janeiro: Garamond, 2004. p. 7-40.

YOSSO, T. et al. Critical Race Theory in Chicana/O Education. National Association for Chicana and Chicano Studies Annual Conference, p. 89-104, 2001.

ZUBERI, T. Thiker than blood: how racial statistics lie. Minneapolis: [s.n.], 2001.

ZUBERI, T. Teoria crítica da raça e da sociedade nos Estados Unidos. Cadernos do CEAS, n. 238, p. 464–487, 2016.

ZUBERI, T.; BONILLA-SILVA, E. While logic, white methods: racism and methodology. New York: Rowman & Littlefield, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.21056/aec.v17i70.494

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Evandro Piza Duarte

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

ISSN 1516-3210 | e-ISSN 1984-4182


Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

R. Saldanha Marinho, n. 1762, Bigorrilho, Curitiba-PR, Brasil, CEP 80730-060
Telefone: +55 41 3014-0740

E-mail: aec.revista@gmail.com

http://www.revistaaec.com