Acesso Livre Acesso Livre  Acesso restrito Acesso Restrito

Direitos sociais e desenvolvimento: uma abordagem do ativismo judicial na Corte Interamericana de Direitos Humanos

Ana Claudia Santano

Resumo


O trabalho traz a questão da justiciabilidade dos direitos econômicos, sociais e culturais no âmbito da Comissão e da Corte Interamericana de Direitos Humanos e como isso pode ser analisado dentro do tema do ativismo judicial. Para tanto, em um primeiro momento aborda-se a normativa internacional referente aos direitos sociais, tanto no sistema onusiano como no interamericano. Também se trata da indivisibilidade e da interdependência dos direitos humanos, sendo características que permitem visualizar que é necessário um equilíbrio da tutela desses direitos, conformando uma unidade em sua proteção. Logo, passa-se a um exame mais pormenorizado da atuação da Comissão e da Corte Interamericana no sistema de monitoramento e de peticionamento, para então trazer a forma como a Corte vem decidindo casos envolvendo os DESC e como a jurisprudência foi evoluindo nos últimos anos, a partir da exposição de alguns casos concretos. Ao final, argumenta-se se a atual posição da Corte poderia ser considerada como uma forma de ativismo judicial. O método utilizado foi o dialético, a partir de revisão bibliográfica e de análise de casos concretos.

Palavras-chave


Direitos Humanos; Comissão Interamericana de Direitos Humanos; Corte Interamericana de Direitos Humanos; Direitos Sociais; Ativismo Judicial.

Texto completo:

PDF

Referências


ALFONSO, César. El principio de coherencia y el principio iura novit curia en la jurisprudencia interamericana. In: AA.VV. Sistema interamericano de protección de los derechos humanos y derecho penal internacional. Uruguay: Fundación Konrad Adenauer, 2011. p. 23-42.

ALVES, J. L. Lindgren. A Declaração dos Direitos Humanos na pós-modernidade. Disponível em: < http://egov.ufsc.br/portal/sites/default/files/a_declaracao_dos_direitos_humanos_na_pos-modernidade.pdf > Acesso em 10 jun. 2019.

ARAÚJO, Luiz Fernando Diniz. O ativismo judicial e constrangimentos a posteriori. Revista de Investigações Constitucionais, Curitiba, vol. 5, n. 1, p. 129-150, jan./abr. 2018.

BOBBIO, Norberto. A era dos direitos. Rio de Janeiro: Campus, 1992.

BONAVIDES, Paulo. Curso de Direito Constitucional. 26° ed. São Paulo: Malheiros, 2010.

CAMBIAGHI, Cristina Timponi; VANNUCHI, Paulo. Sistema Interamericano de Direitos Humanos (SIDH): reformar para fortalecer. Lua Nova, São Paulo, n. 90, p. 133-163, dez. 2013. Disponível em: . Acesso em 28 jun. 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-64452013000300006.

CARVALHO RAMOS, André de. Teoria geral dos direitos humanos na ordem internacional. 6. ed., São Paulo: Saraiva, 2016.

COMPARATO, Fábio Konder. A afirmação histórica dos Direitos Humanos. 10. ed. São Paulo: Saraiva, 2016.

CONTINENTINO, Marcelo Casseb. Ativismo judicial: considerações críticas em torno do conceito no contexto brasileiro. Interesse Público – IP, Belo Horizonte, ano 14, n. 72, mar./abr. 2012. Disponível em: . Acesso em 28 jun. 2019.

CORTE INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS. Informe Anual de la Corte Interamericana de Derechos Humanos, 1986, p. 42, par. 2. Disponível em: Acesso em 17 jun. 2019.

CORTE INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS. Parecer Consultivo PC-10/89, Interpretação da Declaração Americana dos Direitos e Deveres do Homem no contexto do artigo 64 da Convenção Americana sobre Direitos Humanos, 14 de julho de 1989, Ser. A. Nº 10 (1989), par. 35-45.

CORVALÁN, Juan Gustavo. Soberanía y Estado Constitucional. A&C – Revista de Direito Administrativo & Constitucional, Belo Horizonte, ano 15, n. 62, p. 45-71, out./dez. 2015.

FERRAJOLLI, Luigi. A soberania no mundo moderno. Tradução de Carlo Coccioli e Márcio Lauria Filho. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

FIGUEROA VALDES, Juan Eduardo. La autonomía de los árbitros y la intervención judicial. Revista Arbitraje PUCP. n. 4, p. 71-81, 2014).

GORCZEVSKI, Clóvis; DIAS, Felipe da Veiga. A imprescindível contribuição dos tratados e cortes internacionais para os direitos humanos e fundamentais. Sequência (Florianópolis), Florianópolis , n. 65, p. 241-272, Dec. 2012. Disponível em . Acesso em 06 Jun. 2019.

HACHEM, Daniel Wunder. A noção constitucional de desenvolvimento para além do viés econômico: reflexos sobre algumas tendências do Direito Público brasileiro. A&C – Revista de Direito Administrativo & Constitucional, a. 13, n. 53, p. 133-168, jul./set. 2013.

HACHEM, Daniel Wunder; BONAT, Alan. O direito ao desenvolvimento de um projeto de vida na jurisprudência da Corte Interamericana de Direitos Humanos e a educação como elemento indispensável. Opinião Jurídica, Fortaleza, ano 15, n. 21, p.77-105, jul./dez. 2017.

JELLINEK, Georg. Teoria general del Estado. Buenos Aires: Albatros, 1954.

KELSEN, Hans. Teoria geral do Direito e do Estado. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

KMIEC, Keenan D. The origin and Current Meaning of “Judicial Activism”. California Law Review, v. 92, 2004. p. 1466. Disponível em: < http://scholarship.law.berkeley.edu/cgi/viewcontent.cgi?article=1324&context=californialawreview> Acesso em 28 jun. 2019.

LEAL, Mônia Clarissa Hennig. Corte Interamericana de Direitos Humanos e jurisdição constitucional: judicialização e ativismo judicial em face da proteção dos direitos humanos e fundamentais? Revista de Investigações Constitucionais, Curitiba, vol. 1, n. 3, p. 123-140, set./dez. 2014.

LEAL, Mônia Clarissa Hennig; ALVES, Felipe Dalenogare. O controle de convencionalidade e o Judiciário brasileiro: a sua aplicação pelo Tribunal Superior do Trabalho como forma de proteger a dignidade da mão-de-obra (vedação de terceirização de atividade-fim) no case Carneiro Távora v. Telemar Norte Leste e Contax. Revista de Investigações Constitucionais, Curitiba, vol. 4, n. 1, p. 109-128, jan./abr. 2018.

MARTINI, Sandra Regina; WALDMAN, Ricardo Libel. Os objetivos do desenvolvimento sustentável analisados à luz da metateoria do direito fraterno e a concretização dos direitos humanos. Revista de Direito Econômico e Socioambiental, Curitiba, v. 9, n. 2, p. 198-219, maio/ago. 2018.

MAZZUOLI, Valério de Oliveira. Direitos humanos na jurisprudência internacional. Sentenças, opiniões consultivas, decisões e relatórios internacionais. São Paulo: Método, 2019.

MELEU, Marcelino da Silva; THAINES, Aleteia Hummes. A solidariedade como política constitucional de efetivação dos direitos humanos. A&C – Revista de Direito Administrativo & Constitucional, a. 18, n. 73, p. 189-206, jul./set. 2018.

MEZZAROBA, Orides; SILVEIRA, Vladmir Oliveira da. The principle of the dignity of human person: A reading of the effectiveness of citizenship and human rights through the challenges put forward by globalization. Revista de Investigações Constitucionais, Curitiba, vol. 5, n. 1, p. 273-293, jan./abr. 2018.

NEVES, Marcelo. A Força Simbólica dos Direitos Humanos. Revista Brasileira de Direito Público ­ RBDP. Belo Horizonte, n. 3, a. 1 Out./Dez., 2003. Disponível em: . Acesso em 6 jun. 2019.

NIETO NAVIA, Rafael. La aplicación del principio Jura Novit Curia por los órganos del sistema interamericano de derechos humanos. In: REY CARO, Ernesto J.; et al. (dir.). Estudios de Derecho Internacional en homenaje a la Dra. Zlata Drnas de Clément. Córdoba: Advocatus, 2014. p. 618-639.

PIOVESAN, Flavia. A universalidade e a indivisibilidade dos direitos humanos: desafios e perspectivas. In: BALDI, César Augusto (org.). Direitos humanos na sociedade cosmopolita. Rio de Janeiro: Renovar, 2004.

PIOVESAN, Flavia. Ius constitutionale commune latino-americano em Direitos Humanos e o Sistema Interamericano: perspectivas e desafios. Revista Direito & Práxis, Rio de Janeiro , v. 8, n. 2, p. 1356-1388, jun. 2017.

RIEDEL, Eibe. Menschenrechte der Dritten. In: Europäische Grundrechte-Zeitung, 9-21, 1989.

SALAZAR MUÑOZ, Rodrigo. Los derechos humanos en México: un reto impostergable. Revista de Investigações Constitucionais, Curitiba, vol. 3, n. 1, p. 145-168, jan./abr. 2016.

SANTIAGO NINO, Carlos. Ética y Derechos Humanos – Un ensayo de fundamentación. 2° ed. amp.rev. Buenos Aires: Astrea, 1989.

SARLET, Ingo Wolfgang; ZOCKUN, Carolina Zancaner. Notas sobre o mínimo existencial e sua interpretação pelo STF no âmbito do controle judicial das políticas públicas com base nos direitos sociais. Revista de Investigações Constitucionais, Curitiba, vol. 3, n. 2, p. 115-141, maio/ago. 2016.

SCHIER, Paulo Ricardo; SCHIER, Adriana da Costa Ricardo. Direitos sociais, reserva do possível e o mínimo existencial: a aporia do meio adequado de satisfação. A&C – Revista de Direito Administrativo & Constitucional, Belo Horizonte, ano 18, n. 74, p. 67-96, out./dez. 2018.

SCHLESINGER JR., Arthur M. The Supreme Court. Fortune Magazine, 73, XXXV, 1947. Disponível em: < http://credo.library.umass.edu/view/full/mums312-b116-i211> Acesso em 28 jun. 2019.

SEN, Amartya. Desenvolvimento como liberdade. Tradução Laura Teixeira Motta. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

SUNSTEIN, Cass. A hand in the matter: has the rehnquist court pushed its agenda on the rest of the country?. Legal Affairs. Disponível em: < https://www.legalaffairs.org/issues/March-April-2003/feature_marapr03_sunstein.msp> Acesso em 28 jun. 2019.

TRINDADE, Antônio Augusto Cançado. Cançado Trindade Questiona a Tese de "Gerações de Direitos Humanos" de Norberto Bobbio. Disponível em: Acesso em 14 jun. 2019).

TRINDADE, Antônio Augusto Cançado. Dilemas e desafios da Proteção Internacional dos Direitos Humanos no limiar do século XXI. Revista brasileira de política internacional. Brasília, v. 40, n. 1, p. 167-177, jun. 1997.

VACCARO, Stefania Becattini. Direito ao desenvolvimento e integração regional. In: PAGLIARINI, Alexandre Coutinho; DIMOULIS, Dimitri (coord.). Direito constitucional e internacional dos direitos humanos. Belo Horizonte: Fórum, 2012. p. 411-423.

VALIM, Rafael. Apontamentos sobre os direitos sociais. In: MALHEIROS, Antônio Carlos; BACARIÇA, Josephina; VALIM, Rafael (coord.). Direitos humanos: Desafios e perspectivas. Belo Horizonte: Fórum, 2011. p. 173-180.

VASAK, Karel. A 30-Year struggle: the sustained efforts to give force of law to the Universal Declaration of Human Rights. The Unesco Courier. Paris: Unesco, 1977. p. 29-32. Disponível em: Acesso em 14 jun. 2019.




DOI: http://dx.doi.org/10.21056/aec.v19i77.1177

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Ana Claudia Santano

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

ISSN 1516-3210 | e-ISSN 1984-4182


Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

R. Saldanha Marinho, n. 1762, Bigorrilho, Curitiba-PR, Brasil, CEP 80730-060
Telefone: +55 41 3014-0740

E-mail: aec.revista@gmail.com

http://www.revistaaec.com