Acesso Livre Acesso Livre  Acesso restrito Acesso Restrito

Governança e compliance na administração direta: ampliando as fronteiras do controle democrático

Vanice Regina Lírio do Valle, Marcelo Pereira dos Santos

Resumo


Este artigo explora o potencial de aprimoramento da ação pública que a incorporação à Administração Direta dos vetores de governança e compliance possa trazer. Desenhados origem e conteúdo dos referidos componentes, empreende-se a um breve percurso das razões de endosso e de rejeição de sua aplicabilidade no âmbito da Administração Direita. Adotando como ponto de partida a metodologia dialético-descritiva, desenvolve-se a crítica ao argumento do caráter exógeno das figuras, destacando sua relação intrínseca com a outorga de conteúdo substantivo à procedimentalização, hoje reclamada da Administração Pública, como leito para o desenvolvimento a explicitação da racionalidade administrativa. 


Palavras-chave


compliance; governança; Administração Direta; controle social; procedimento decisório.

Texto completo:

PDF

Referências


BERGGRUEN, Nicolas; GARDELS, Nathan. Intelligent Governance for the 21st Century. Cambridge: Polity Press Ltd., 2013, 247 p.

BERLE, Adolf A.; MEANS, Gardiner C. The modern corporation and private property. New Brunswick, New Jersey: Transaction Publishers, 1991, 380 p.

CANDELORO, Ana Paula P.; RIZZO, Maria Balbina Martins de; PINHO, Vinícius. Compliance 360º: riscos, estratégias, conflitos e vaidades no mundo corporativo. São Paulo: Trevisan Editora Universitária, 2012, 454 p.

CHARTIER, Roger. A história cultural – entre práticas e representações. Tradução de Maria Manuela Galhardo. Rio de Janeiro: Berthand Brasil, 1990, 244 p.

CHEVALLIER, Jacques. O Estado Pós-Moderno. Tradução de Marçal Justen Filho. Belo Horizonte: Fórum, 2009, 309 p.

CHUEIRI, Vera Karam. Filosofia do Direito e modernidade – Dworkin e a possibilidade de um discurso instituinte de direitos. Curitiba: JM, 1995, 188 p.

FRIEDMAN, Milton. The Social Responsibility of Business Is to Increase Its Profits. 1970. Disponível em: Acesso em: 22 abr. 2018

GABARDO, Emerson. Eficiência e legitimidade do Estado: uma análise das estruturas simbólicas do direito político. Barueri, SP: Manole, 2003, 207 p.

GONZÁLEZ, Felipe. ¿Por qué pensar la governanza? In: GONZÁLEZ, Felipe (Cood.); DAMIANI, Gerson; FERNÁNDEZ-ALBERTOS, José. Governança e democracia representativa. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2017, p. 33-56.

HYDEN, Goran. Governance and the reconstitution of political order. In: JOSEPH, Richard (Ed.). State, conflict, and democracy in Africa. Boulder CO: Lynne Rienner, 1999, 527 p.

JENSEN, Michael C.; MECKLING, William H. Theory of the firm: managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of Financial Economics, V. 3, Issue 4, October/1976, p. 305-360.

MARQUES, Maria da Conceição da Costa. Aplicação dos princípios da governança corporativa ao sector público. Rev. adm. contemp., Curitiba, v. 11, n. 2, p. 11-26, junho/2007. Disponível em . accesso em 28 May 2018.

MOREIRA NETO, Diogo de Figueiredo. Legitimidade e discricionariedade: novas reflexões sobre os limites e controles da discricionariedade. 4ª ed. Rio de Janeiro: Forense, 2001, 103p.

_______. O Direito Administrativo do século XXI: um instrumento de realização da democracia substantiva. A&C – Revista de Direito Administrativo & Constitucional, ano 11, n. 45, jul./set., 2011, p. 13-37.

MORK, Randall K.; Llody Steier. The Global History of Corporate Governance: An Introduction. In: MORK, Randall K. (Ed.). A history of Corporate Governance around the World. Chicago and London. National Bureau of Economic Research. University of Chicago Press, 2005, p. 1-64.

NOLAN, Lord. Normas de conduta para a vida pública. Tradução de standards in public life. London: HMSO, 1995. Caderno ENAP, n. 12, 1997, 152p.

RHODES, R. A. W. The new governance: governing without government. Political Studies. Volume: 44, issue: 4, September 1, 1996, p. 652-667.

SCHIER, Adriana da Costa Ricardo. A participação popular na Administração Pública: o direito de reclamação. Rio de Janeiro: Renovar, 2002, 284 p.

SILVEIRA, Alexandre Di Miceli da. Governança corporativa no Brasil e no Mundo: teoria e prática. 2ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015, p. 370 p.

THE WORLD BANK. World development report 2017: Governance and law. Washington DC: World Bank, 2017, 291p.

UNITED KINGDOM. The Committee on the Financial Aspects of Corporate Governance (The Cadburry Committee). Report on the Financial Aspects of Corporate Governance (With the Code of Best Practice), 1991, disponível em http://www.ecgi.org/codes/documents/cadbury.pdf. Acesso em 28 de maio de 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.21056/aec.v20i75.993

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Vanice Regina Lírio do Valle, Marcelo Pereira dos Santos

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

ISSN 1516-3210 | e-ISSN 1984-4182


Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

R. Saldanha Marinho, n. 1762, Bigorrilho, Curitiba-PR, Brasil, CEP 80730-060
Telefone: +55 41 3014-0740

E-mail: aec.revista@gmail.com

http://www.revistaaec.com