Acesso Livre Acesso Livre  Acesso restrito Acesso Restrito

Judicialização da saúde, acesso a medicamentos e diálogos institucionais

Daniel dos Santos Rodrigues, Jordão Horácio da Silva Lima

Resumo


O artigo buscou examinar os vínculos entre acesso à justiça e a efetividade de um dos aspectos do direito à saúde no Brasil, o acesso a medicamentos, a partir dos votos dos ministros do Supremo Tribunal Federal no Recurso Extraordinário nº 566.741/RN e à luz da compreensão e aplicação das teorias dos diálogos institucionais pela Suprema Corte. Discutiu-se que, de maneira geral, há apenas uma enunciação retórica das teorias dos diálogos institucionais (que valorizam, em regra, as capacidades institucionais de cada Poder e a autocontenção do Poder Judiciário) sem de fato aplicá-la. Nesse sentido é representativo o voto do ministro Luís Roberto Barroso, o qual, apesar de expressamente enunciar a aplicação das teorias dos diálogos, não as aplica para resolver o problema da usurpação das funções da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (CONITEC) pelo Poder Judiciário através dos Núcleos de Apoio Técnico ao Judiciário (NatJus), perpetuando a dissolução do direito constitucional a políticas públicas de saúde em um mero direito subjetivo a medicamentos. Concluiu-se que uma possível e definitiva solução dessa questão passa pelo aperfeiçoamento do accountability sobre o Poder Judiciário, de modo que, entre outras coisas, possa ampliar o compartilhamento das consequências políticas e econômicas de suas decisões com a sociedade.

Palavras-chave


direito à saúde; acesso a medicamentos; judicialização da saúde; diálogos institucionais; SUS.

Texto completo:

PDF

Referências


ACKERMAN, Bruce. The new separation of powers. Harvard law review, v. 113, p. 633-729, Jan. 2000.

ALCÂNTARA, Gisele Chaves Sampaio. Judicialização da Saúde: uma reflexão à luz da teoria dos jogos. Revista CEJ, Brasília, vol. 16, n. 57, p. 88-94, 2012, p. 90. Disponível em: . Acesso em: 30 jun. 2019.

ARGUELHES, Diego Werneck; RIBEIRO, Leandro Molhano. ‘The Court, it is I’? Individual judicial powers in the Brazilian Supreme Court and their implications for constitutional theory. Global Constitutionalism, vol. 7, n. 2, p. 236-262, 2018.

ÁVILA, Ana Paula Oliveira; MELO, Karen Cristina Correa de. Separação de poderes e diálogos institucionais nos litígios envolvendo o direito à saúde. Revista de Investigações Constitucionais, Curitiba, vol. 5, n. 1, p. 83-108, abr. 2018. Disponível em: . Acesso em: 02 ago. 2019.

BARROSO, Luís Roberto. Voto. In: BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Recurso Extraordinário nº 566.471/RN. Relator: ministro Marco Aurélio. Brasília, 15 set. 2016. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2018.

BERCOVICI, Gilberto. A Constituição invertida: a Suprema Corte Americana no combate à ampliação da democracia. Lua Nova, São Paulo, n. 89, p. 107-134, 2013. Disponível em . Acesso em: 10 maio 2018.

BRASIL. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Diário Oficial da União de 20.9.1990. Atos do Poder Legislativo, Brasília, DF. Disponível em: . Acesso em: 28 jan. 2020.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Em. Decl. no Recurso Extraordinário nº 855.178/SE. Relator: ministro Luiz Fux. Julgamento: 22 de maio de 2019. Órgão Julgador: Tribunal Pleno. ATA Nº 12, de 22/05/2019. DJE nº 119, divulgado em 03/06/2019. Disponível em: . Acesso em 02 fev. 2020.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Recurso Extraordinário nº 566.471/RN. Relator: ministro Marco Aurélio. Andamento. Brasília: DJe, 11 set. 2018. Disponível em: . Acesso em: 03 fev. 2020.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Recurso Extraordinário nº 631.240/MG. Relator: ministro Luís Roberto Barroso. Recorrente: Instituto Nacional do Seguro Social – INSS. Recorrido: Marlene de Araújo Santos. Acórdão. Julgamento: 03 nov. 2014. Órgão Julgador: Tribunal Pleno. Publicação: Brasília: DJe, 10 nov. 2014 - Ata n. 167/2014; DJe, n. 220, divulgado em: 07 nov. 2014 Disponível em: . Acesso em: 02 fev. 2020.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Recurso Extraordinário nº 657.718/MG. Relator: ministro Marco Aurélio. Julgamento: 22 maio 2019. Órgão Julgador: Tribunal Pleno. ATA Nº 12, de 22/05/2019. DJE nº 119, divulgado em 03/06/2019. Disponível em: . Acesso em: 02 fev. 2020.

BURGOS, Marcelo; VIANNA, Luiz Werneck. Revolução Processual do Direito e Democracia Progressiva. In: VIANNA, Luiz Werneck (Org.). A Democracia e os Três Poderes no Brasil. Belo Horizonte: UFMG; Rio de Janeiro: IUPERJ/FAPERJ, 2002. p. 337-491.

CLÈVE, Clèmerson Merlin; LORENZETO, Bruno Meneses. Diálogos institucionais: estrutura e legitimidade. Revista de Investigações Constitucionais. Núcleo de Investigações Constitucionais da UFPR. Periodicidade quadrimestral, vol. 2, n. 3, Curitiba, setembro/dezembro, 2015. Disponível em: . Acesso em: 02 jul. 2019.

COOTER, Robert. The strategic constitution. Princeton University Press, 2002.

FACHIN, Edson. Voto. In: BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Recurso Extraordinário nº 566.471/RN. Relator: ministro Marco Aurélio. Brasília, 28 set. 2016. Disponível em: . Acesso em: 08 jul. 2019.

FERRAZ, Octávio Luiz Motta. Para equacionar a judicialização da saúde no Brasil. Revista Direito GV, São Paulo, vol. 15, n. 3, p. e1934, nov. 2019. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2020.

GODOY, Miguel Gulano de. Devolver a constituição ao povo: crítica à supremacia judicial e diálogos institucionais. Belo Horizonte: Fórum, 2017.

HIRSCHL, Ran. The political origins of the new constitutionalism. Indiana Journal of Global Legal Studies, v. 11, n. 1, p. 71-108, 2004.

KOZICKI, Katya; ARAÚJO, Eduardo Borges. Um Contraponto Fraco a um Modelo Forte: o Supremo Tribunal Federal, a última palavra e o diálogo. Sequência, Florianópolis, 2015, n. 71, p. 107-132. Disponível em: . Acesso em: 02 abr. 2018.

MAPELLI JÚNIOR, Reynaldo. Judicialização da saúde e políticas públicas: assistência farmacêutica, integralidade e regime jurídico-constitucional do SUS. 2015. 369 f. Tese (Doutorado) - Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015. Disponível em: . Acesso em: 02 jul. 2019.

MARIANO, Cynara Monteiro; MAIA, Isabelly Cysne. Augusto. Possíveis contribuições do estado de coisas inconstitucionais para efetivação do serviço público de acesso a medicamento de alto custo: análise dos recursos extraordinários nº 566.471/RN e nº 657.718/MG. Nomos, Fortaleza, vol. 38, p. 391-416, 2018. Disponível em: . Acesso em: 30 jul. 2019.

MELLO, Marco Aurélio. Voto. In: BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Recurso Extraordinário nº 566.471/RN. Relator: ministro Marco Aurélio. Brasília, 27 set. 2016. Disponível em: . Acesso em: 30 nov. 2019.

MENDES, Conrado Hübner. Direitos Fundamentais, separação dos poderes e deliberação. 2008. 219 f. Tese (Doutorado em Ciência Política) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008. Disponível em: . Acesso em: 02 abr. 2018.

PIERRO, Bruno. Demandas crescentes. Pesquisa Fapesp, vol. 252, p. 18-25, fev. 2017. Disponível em: . Acesso em: 30 jun. 2019.

PRADO, Mariana Mota; TREBILCOCK, Michael J. Path Dependence, Development, and the Dynamics of Institutional Reform. University of Toronto Law Journal, Legal Studies Research Paper, University of Toronto, n. 09-04, p. 1-46, 30 abr. 2009. Disponível em: . Acesso em: 02 ago. 2019.

ROCHA, Lara Bonemer; SILVA, Maria Clara Marussi. Judicialização da saúde: evolução da jurisprudência do Supremo Tribunal Federal a partir dos REs 566.471 e 657.718. Revista Direitos Sociais e Políticas Públicas, Bebedouro, SP: UNIFAFIBE, vol. 4, p. 116, 2016. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2019.

RODRIGUES, Daniel dos Santos. Judicialização da Política e Democracia – uma Análise a partir de Chantal Mouffe e Mark Tushnet. Revista Brasileira de Filosofia do Direito, vol. 5, n. 1, p. 100-121, 2019.

SOMBRA, Thiago Luís Santos. Supremo Tribunal Federal representativo? O impacto das audiências públicas na deliberação. Revista Direito GV, São Paulo, vol. 13, n. 1, p. 236-273, abr. 2017. Disponível em . Acesso em: 04 maio 2018.

TOMIO, Fabrício Ricardo de Limas; ROBL FILHO, Ilton Norberto. Accountability e independência judiciais: uma análise da competência do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Revista de Sociologia e Política, vol. 21, n. 45, p. 29-46, 2013.

TUSHNET, Mark. Weak Courts, strong rights: judicial review and social welfare rights constitutional law. Kindle Edition. Princeton: Princeton University Press, 2008.

WANG, Daniel Wei Liang. Can litigation promote fairness in healthcare? The judicial review of rationing decisions in Brazil and England [thesis]. London: London School of Economics and Political Science, 2013, p. 292. Disponível em . Acesso em: 20 ago. 2019.




DOI: http://dx.doi.org/10.21056/aec.v21i83.1294

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Daniel dos Santos Rodrigues, Jordão Horácio da Silva Lima

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

ISSN 1516-3210 | e-ISSN 1984-4182


Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

R. Saldanha Marinho, n. 1762, Bigorrilho, Curitiba-PR, Brasil, CEP 80730-060
Telefone: +55 41 3014-0740

E-mail: aec.revista@gmail.com

http://www.revistaaec.com